Toledo

Toledo (antiga capital da Espanha) é uma cidade que fica a 70 km de Madri e é considerada Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco. Felizmente a empresa espanhola de trens, Renfe (Red Nacional de los Ferrocarriles Españoles), tem os trens rápidos (AVE) que nos permite chegar em 30 minutos! Portanto, visitar Toledo é um bate-volta quase obrigatório para quem está em Madri!



Li que a busca pelas passagens pelos trens super-rápidos para Toledo era enorme e, que é melhor comprar antecipadamente pela Internet (ao que parece, só aceitam cartões espanhóis, serve Santander). Pensei e decidi não comprar para não ficar atrelada a um horário.

Toledo: famosa por vender espada, arco e flecha, faca...
Estava hospedada a 2 minutos da Estação Atocha, de onde saem trens rápidos, noturnos, cercanías, portanto, não teria com o que me preocupar. Não levantei tão cedo e cheguei por volta das 9:15 na estação. Olhei o painel e vi que o próximo partiria às 10:08h. Preferi não comprar na máquina e sim no balcão da Renfe. Já não tinha passagem de ida na classe "turista", apenas na classe "preferente", que custou quase o dobro, 17,70 euros. Aproveitei e comprei a volta na turista por 10,15 euros.
Estação Atocha
É preciso passar a bagagem pelo raio-x antes de entrar no hall do embarque. Muitas pessoas vão com malas, seja pra passar dias em Toledo ou pra seguir rumo a outra cidade. Uma dica é não usar o banheiro da estação, que é pago, mas depois que passar pelo raio-x é grátis, ou seja, para os usuários do serviço.

A diferença da classe preferente para turista é enorme, mas como a viagem é curta, não vejo necessidade de gastar mais. A preferente tem bancos realmente confortáveis e espaçosos, jornais do dia, fone de ouvido, cafeteria, lugar para pôr refeições, os bancos giram. Consideraria essa opção para uma viagem longa. O trem rápido é tão incrível que você não sente qualquer atrito nos trilhos! Quando a viagem começa a divertir já terminou.

Classe preferente na ida
Classe turista na volta
Chegando na bonita estação de Toledo, você encontrará uma pessoa vendendo mapas por 2 euros, basta seguir para a segunda porta e verá um centro de informações turísticas com mapas disponíveis - impossível seguir sem um mapa.

A cidade medieval
Para chegar à cidade murada será necessário pegar algum transporte, mas é possível andar por 20 minutos, tem a opção de táxi, ônibus panorâmico (9 euros), ônibus turístico (2,50 euros) - esses partem do estacionamento da estação - ou o ônibus comum (1,40). Saindo da estação verá um ponto do lado direito, basta pegar o 51, 5D, 61, 62 e 94 e descer na praça Zocodover - também tem outro centro de informações turísticas.
É possível visitar todos os pontos turísticos caminhando - mesmo porque as ruas da cidade são muitos estreitas e muitas vezes só um carro passa e as pessoas têm que subir em algum lugar. Programei meu tempo errado e no fim não consegui ver o Alcázar Museu do Exército e a Mezquita Cristo de la Luz, já que minha volta foi comprada para 17:25.

Na rua Miguel de Cervantes vemos uma enorme estátua do criador de Don Quijote de La Mancha. Toledo fica na região de Castilla-La Mancha. Em muitos lugares avistamos uma placa com a inscrição "Ruta de Don Quijote", indicado a rota de Don Quixote.

Toledo foi um município Romano e capital do Reino Visigodo, uma fortaleza do Emirado de Córdoba. Aqui cristãos lutaram contra os mouros no século 16, época que foi sede do poder supremo sob o reinado de Carlos V. Registra uma civilização heterogênea, pela existência concomitante de três religiões: cristianismo, judaísmo e islamismo. São 2 mil anos de história!

Uma curiosidade é que meu avó paterno (falecido), filho de espanhóis, tinha o sobrenome "Toledo" (bem como tios e primos), embora não tenha o sobrenome, resolvi pesquisar e vi que os novos cristãos tiveram que mudar o sobrenome para o nome da cidade, os que viviam em Toledo adquiriram tal sobrenome. Também é interessante que o outro sobrenome paterno "Moreno Fernandez" é encontrado com facilidade na cidade (inclusive é nome de uma loja), portanto, é provável que eu seja 50% de origem toledana.

Toledo está comemorando o IV centenário de El Greco, consequentemente, existem várias placas e exposições em homenagem ao artista. Inclusive tem um mapa com as obras dele espalhadas pela cidade. A primeira parada foi no Museo de Santa Cruz (antigo hospital que hoje abriga coleções de arte, arqueologia, artes industriais e cerâmicas), que já não tinha ingressos para a exposição de El Greco. Apenas olhei o interior, na parte que é gratuita, sem necessidade de tíquete.

Museu de Santa Cruz
Adquiri a "Pulsera Turística" (válida enquanto estiver intacta no braço) por 8 euros que permite visitar 6 pontos turísticos: Iglesia de Santo Tomé, Sinagoga de Santa María la Blanca, Monasterio de San Juan de los Reyes, Mezquita del Cristo de la Luz, Iglesia de los Jesuitas e Iglesia del Salvador. Pode ser adquirida na bilheteria dessas atrações. Só é vantajosa se visitar mais de 3 lugares - que cobra 2,50 cada.

Segui em direção à Iglesia de Santo Tomé, famosa pelo afresco "O enterro do Conde de Orgaz", de El Greco. Era a atração com a maior fila (muitos estudantes). Em frente do afresco está enterrado Gonzalo Ruiz de Toledo, o conde de Orgaz, piedoso benfeitor daquela paróquia. O quadro representa dois estágios: a morte e a chegada ao céu.
As bonitas placas com os nomes das ruas da cidade
 

O enterro do Conde de Orgaz", de El Greco
Depois visitei duas belas construções: Sinagoga de Santa María la Blanca (construída no início do século XIII e apresenta cinco naves separadas por arcos e pilares) e Monasterio de San Juan de los Reyes (monastério franciscano do século XV, mesclando o estilo gótico ao mudéjar - estilo desenvolvido na península ibérica que incorpora a influência do estilo muçulmano).
 
Sinagoga de Santa María la Blanca

Sinagoga de Santa María la Blanca

Monasterio de San Juan de los Reyes

Monasterio de San Juan de los Reyes

Monasterio de San Juan de los Reyes

Monasterio de San Juan de los Reyes

Monasterio de San Juan de los Reyes

Monasterio de San Juan de los Reyes

Monasterio de San Juan de los Reyes

Monasterio de San Juan de los Reyes
Visitei o Museo del Greco, que cobra 4 euros. El Greco, Doménikos Theotokópoulos, ainda que nascido na ilha de Creta, é o mais famoso personagem de Toledo, onde viveu até a morte. Embora sem muitas obras, a casa-museu merece uma visita.

Museo del Greco
 




Já vesga de fome e com a temperatura de 34,5 graus (que primavera quente!), procurei um restaurante para almoçar e todos estavam lotados. É o único momento que pode ser difícil ser solo traveler, já que nunca vão dispor de uma mesa para uma única pessoa. Mas, no fim, achei um restaurante e comi os dois pratos (pasta e pollo na plancha com patatas), bebida e sobremesa por 10 euros.



Percebi que havia menos de uma hora e meia e que não seria possível ver todos os pontos turísticos. Segui para as Iglesia de los Jesuitas e Iglesia del Salvador (construída sobre uma antiga mesquita). Depois fui pegar o ônibus na praça Zocodover e achei que perderia o horário do trem, em razão da demora. Seria impossível encontrar um táxi com a cidade lotada. Para voltar à estação de trem tem que descer no terceiro ponto. Pegar o 61 ou 62.

Iglesia del Salvador

Iglesia del Salvador

Iglesia del Salvador
Iglesia de los Jesuitas

Iglesia de los Jesuitas

Iglesia de los Jesuitas
É interessante observar o rio que corta a cidade, pois, na Espanha, o Tejo vira Tajo.




Cheguei na estação às 17:15, ou seja, com 10 minutos para ir ao banheiro e passar no raio-x. De volta a Madri.
As ruas de Toledo

A catedral
Share:

0 comentários:

Translate

Instagram

Publicidade

Booking.com

Marcadores