Leonora Carrington

Faleceu no dia 26/05/11 a artista plástica mexicana de origem inglesa Leonora Carrington. Em 2011, Elena Poniatowska escreveu "Leonora", um romance inspirado na vida da artista e a descreveu: "tão única como o fora Frida Kahlo na sua época, e que quis, tão pouco como ela, tornar-se figura pública". Carrigton teve um romance com o pintor surrealista Max Ernst e manteve contato com os artistas do movimento surrealista: Breton, Duchamp, Dalí, etc.
Será que Madonna já se inspirou em Carrington? Vocês lembram do clipe Bedtime Story

Resultado de imagem para Leonora Carrington

Share:

Filmes sobre arte (parte 3)

1 – Vida e arte de Georgia O’Keeffe, 2009 (Georgia O'Keeffe)

Apresenta o romance entre Georgia O’Keeffe e o fotógrafo Alfred Stieglitz, vivido por Jeremy Irons, que foi o primeiro a acreditar no seu talento. Se tornou uma das artistas norte-americanas mais famosas de todos os tempos. www.okeeffemuseum.org/
Nota: 6/10
Share:

Estranhos vestígios

O jornal "Folha da Bahia" (02/11/2004) noticiou a exposição Registros-resquícios/Maio 2004, no Goethe-Institut de Salvador, e comentou sobre o estapafúrdio cartaz encontrado nas ruas da cidade (Piedade/Carlos Gomes), segue o trecho: "Você pode até ter visto pelas ruas da cidade, afixado em diversos postes um cartaz com o seguinte texto: "Compra-se um coração", com telefone e e-mail para contato. Poderia ser real, alguém comprando órgãos, assim de maneira tão aberta? Ou simplesmente alguém querendo encontrar outro amor? A interpretação - ou não - ficou a cargo de quem leu". E, acreditem, recebi ligações. Algumas hilárias.

Danielle Lima, "Compra-se um coração", interferência ambiental, 2004 

O trabalho participou do 1º Salão de Maio - intervenções urbanas, Salvador, BA e da exposição Registros-resquícios, Goethe-Institut, Salvador, BA, 2004.


Share:

Compra-se coração vivo

Adoro coração, seja o ícone ou o órgão. Berço de todos os sentimentos. Kitsch. Segundo Leonilson, "Expor o coração é ato doloroso, sobretudo, em tempo de cinismo e ceticismo. O coração como órgão muscular, bombeador de sangue através de veias e artérias, centro vital das emoções e sensibilidades do sujeito, repositório de seus sentimentos mais sinceros, profundos e íntimos, e, em instância última, o local onde a desrazão e todas suas ambigüidades encontram conforto e refúgio."

 

Danielle Lima
O vídeoarte "Compra-se coração vivo" participou do 2º Salão Internacional de Arte laisle.com e do Fraenkelstein Salon – London - Project 142, Londres, Inglaterra, 2004.

Share:

Filmes sobre arte (parte 2)

1 – Egon Schiele - Excesso e Punição, 1981 (Egon Schiele - Exzesse)

O austríaco Egon Schiele foi preso em 13 abril de 1912 acusado de sedução de menor. Diversos trabalhos foram destruídos pelo conteúdo “pornográfico”. Foi apadrinhado por Gustave Klimt. O filme mostra sua trajetória até a morte por gripe espanhola.
Nota: 7/10
Share:

Um botão de rosa

Minha homenagem às mães é fotográfica:


Danielle Lima: fotografia manipulada digitalmente
Share:

Gray

Madonna e Basquiat no "Mudd Club"
 
Em 1979, no cenário novaiorquino, surgiu a banda "Gray", formada por Jean-Michel Basquiat, Michael Holman, Vincent Gallo, Wayne Clifford e Nick Taylor. Tocavam no famoso "Mudd Club", situado em Tribeca, que tinha apresentações de "new wave" e música experimental. E uma galeria curada por Keith Haring. Ouçam "Life on the streets", no youtube:


Michael Holman http://www.michaelholman.com
Share:

Ninguém liga pra mim...

Danielle Lima, Inusitados 
"Ninguém liga pra mim...": telefone, poeira, durex e decalque, 2004.
Share:

Looking at Music 3.0 - Laura Levine

Looking at Music 3.0 é uma exposição em exibição no MoMA. Cerca de 70 obras de artistas e músicos estão na mostra, incluindo Beastie Boys, Kathleen Hanna e Le Tigre, Keith Haring, Christian Marclay, Parrino Steven, Run DMC. Destaco Laura Levine, que participa da coletiva. Fotografou inúmeros astros da música, entre eles: Madonna.

Share:

Filmes sobre arte (parte 1)

O cinema nos brinda, muitas vezes, com cinebiografias dos gênios das artes visuais. Alguns filmes são fidedignos à história, todavia, a importância fundamental é o registro da vida e a difusão da obra daqueles que sempre encontraram na arte a essência de suas vidas.  

"Desenhar é fazer amor com o mundo por meio dos olhos"
Leonardo da Vinci
1 – Frida, 2002 

Dirigido por Julie Taymor, com Salma Hayek no papel principal, “Frida” é um filme sobre Magdalena Carmen Frieda Kahlo y Calderón, talvez uma das artistas que a biografia é essencial para a compreensão de seus trabalhos: “Pensaram que eu era surrealista, mas eu não era. Nunca pintei sonhos. Pintava minha própria realidade”. Apresenta ainda dois artistas que tiveram relacionamento íntimo com a pintora, o muralista Diego Rivera e a fotógrafa Tina Modotti.
Nota: 9/10
Share:

Flag - Jasper Johns

Flag. 1954–55, MoMA, NY
 
Ao tomarmos como referência o trabalho "bandeira", entenderemos, por conseguinte, a importância dos questionamentos de Jasper Johns para a Pop e toda a história da arte.
Share:

Translate

Instagram

Publicidade

Booking.com

Marcadores