Liberal Arts

"And binding with briars my joys and desires."
William Blake in Songs of Experience


Não tenho o hábito contumaz de transcrever os sentimentos causados pelos (diversos) filmes que aprecio. Poderia listar, pelo menos, uma dezena de filmes recentes melhores (tecnicamente ou artisticamente) que Liberal Arts, por outro lado, produziu uma catarse pela melancolia do desencontro entre os personagens principais.

Jesse, personagem do Josh Radnor (também diretor e roteirista), sem motivação para animar sua existência, conhece Zibby (Elizabeth Olsen), 16 anos mais nova, aluna da mesma faculdade que estudou e filha de um ex-professor. Com a ajuda do destino, acabam tomando um café da manhã juntos. Durante a conversa no teatro, Zibby pede um abraço a Jesse e, posteriormente, o presenteia com um CD de músicas eruditas. Estabelecem que trocarão cartas.

Durante meses enviam manuscritos. Jesse, apaixonado por literatura, conta suas experiências, de forma poética, nascidas do embate com as músicas presenteadas pela moça. Os sentimentos vão se intensificando até que Zibby diz que gostaria de encontrá-lo novamente (estavam separados por muitos quilômetros). Ao contrário do que parece, Jesse pondera tudo e, mesmo após beijá-la, prefere que continuem apenas amigos.
The last letter:
"Dear Zibby. Even after all these months, I'm still half expecting a letter from you to be sitting in my mailbox. I'm sure you have little left to say to me at this point, but your letters are very much missed. I know I hurt you, and I'm sorry."
Há ainda uma relação paralela entre Jesse e sua professora preferida (de Literatura Romântica), ocasionando a maior decepção de sua vida. Dispara uma frase interessante após transarem: "Cubram seus corações pegajosos."

É a segunda película escrita e dirigida por Josh, que estreou com outro filme melancólico: Happythankyoumoreplease (ainda lembro de uma frase: "Tristeza, vá embora. Vamos ser pessoas que merecem ser amadas. Que valem a pena. Porque valemos a pena!"). É, de alguma forma, a quebra de um paradigma: a construção de filmes românticos hollywoodianos sem finais felizes, como a própria vida.

Surge uma teia de associações derivada do roteiro. Muitas citações de Jesse e canções oferecidas por Zibby remetem a outros filmes, seja o espanhol "Todas as canções falam de mim" ou o norte-americano "Alta fidelidade"...



Adendo: no filme (e nas sinopses) é mencionado música "clássica", contudo, o termo correto é música "erudita", clássico é um período apenas (clássico, romântico e barroco). Vivaldi, por exemplo, foi um compositor barroco.

A trilha sonora:

Vivaldi - Opera Giustino Aria




Ludwig Van Beethoven - Symphony No 6, Op 68 


Richard Wagner - Tannhäuser







Share:

0 comentários:

Translate

Instagram

Publicidade

Booking.com

Marcadores