Filmes com temática gay que você deve assistir

Aimée &Jaguar 


O filme alemão foi indicado ao Globo de Ouro e levou o Urso de Prata de melhor atriz para as duas protagonistas, Juliane Köhler e Maria Schrader. O drama tem como cenário a 2ª Guerra Mundial, período em que Felice conhece Lilly.
Share:

Relief

Relief, Danielle Lima, 2001


Materiais: Saco de cebola, linha e chaveiros dos anos 70.

Dimensão: 77 cm x 47 cm



"Produzir objetos inusitados (por vezes estranhos, esquisitos ou angustiantes) foi o que me propus fazer. Quero resgatar a poesia intrínseca dos materiais e torná-los insólitos. São trabalhos que não tentam agradar os olhos."
Share:

O meu top 10 assistido em 2011


A pele que habito (La piel que habito)
"The things the love of a mad man can do"


Share:

Crianças do cinema que vão roubar seu coração

1º Lugar: Valentin


Cuidado! O argentino Valentin (Rodrigo Noya) vai te fazer chorar em Valentin (El sueño de Valentin)! O menino vive com a avó, pois a mãe desapareceu e o pai não se interessa muito por ele, enquanto isso sonha em ser astronauta. É um dos filmes mais comoventes que já assisti. Lindo!


Trailer:

2º lugar: Nicolas

Nicolas (Maxime Godart) é o protagonista do filme que ficou mais tempo em cartaz no Rio de Janeiro: O pequeno Nicolau (Le petit Nicolas). Embora seja muito amado, por um ruído na comunicação, pensa que seus pais irão se desfazer dele brevemente.





Trailer:


3º Lugar: Ingemar

O sueco Minha vida de cachorro (Mitt liv som hund) é um clássico do cinema. A mãe de Ingemar (Anton Glanzelius) contrai tuberculose e ele é obrigado a se afastar da família e sente a dor da separação e as agruras da vida. É maravilhoso!





Trailer:

4º Lugar: Anna

Anna (Nina Kervel-Bey) não é fofa, pelo contrário, mas tem uma atuação brilhante em A culpa é do Fidel (La Faute à Fidel). Criada em uma família tranquila e com uma vida confortável se vê, de repente, cercada por "barbudos" comunistas.






Trailer:

4º Lugar: Gonzalo e Pedro

Gonzalo (Matías Quer) é de classe alta, estuda no melhor colégio de Santiago, e fica amigo de Pedro Machuca (Ariel Mateluna), bolsista, de família pobre. Machuca é um dos melhores filmes chilenos de todos os tempos. A amizade floresce, apesar da diferença social existente entre os dois.



Trailer:

5º Lugar: Ludovic

Ludovic (Georges Du Fresne) acha que é menina e quer se parecer com uma e diz "Eu sou um garoto agora, mas um dia serei garota". Ele vai tocar seu coração. O belga Minha vida em cor-de-rosa (Ma vie en rose) é um filme premiado e conhecido do grande público.




Trailer:

6º Lugar: Gabe
Gabe (Josh Hutscherson) é um menino apaixonado de Manhattan e narra sua história de amor em ABC do amor (Little Manhattan). Já notaram como ele cresceu? Pode ser visto em "Minhas mães e meu pai".








Trailer:

7º Lugar:  Razieh

Sou assumidamente apaixonada pelo cinema iraniano, que costuma mostrar o dissabor da vida pela ótica das crianças. O balão branco (Badkonake Sefid) foi vencedor da Camera D'Or de Cannes. Razieh (Aida Mohammadkhani) sonha em comprar um peixe dourado para a comemoração do Ano Novo, gastando o último centavo de sua mãe, mas, no caminho, a menina perde o dinheiro...


Trailer:

 8º Lugar: Ali e Zahra

Ali (Amir Farrokh Hashemian) e Zahra (Bahare Seddiqi) são personagens do excelente iraniano Filhos do paraíso (Bacheha-Ye aseman), do diretor Majid Majidi (que dirigiu outros ótimos filmes com crianças, como "A cor do paraíso" e "A canção dos pardais"). Ali perde o único par de sapatos da irmã e passa a dividir seu próprio sapato com ela. Aviso: vai dilacerar seu coração!

Trailer:

9º Lugar: Osama

Osama (Marina Golbahari), personagem do filme homônimo, é menina no Afeganistão, no regime Talibã, que finge ser menino para poder ajudar a família composta só por mulheres, mas é descoberta. Assistam!




Trailer:

10º Lugar: Chihiro


Ah, eu sei, ela não é uma criança de verdade, mas a japonesa Chihiro, de A viagem de Chihiro (Sen to Chihiro no kamikakushi), animação do afamado Hayao Miyazaki, é algo indescritível e merece um lugar no top 10, não acham? Foi a primeira animação a levar o Urso de Ouro em Berlim.





Trailer:

11º Lugar: Mirco

Mirco (Luca Capriotti) é apaixonado por cinema em Vermelho como o céu (Rosso come il cielo), contudo, perde a visão após um acidente e tem que ir para uma escola especial para deficientes visuais. Lembra outra pérola italiana: "Cinema paradiso".



Trailer:
Share:

Pina

"Pina era uma pintora"


Indubitavelmente um dos méritos do diretor alemão Wim Wenders é expor o trabalho da coreógrafa alemã Pina Bausch para o grande público, em "Pina" (2011). Embora não tenha uma relação de amor com a dança (fiz balé na infância, no entanto, risos, sofri um trauma na época da faculdade de artes), tento me despir de preconceitos para poder apreciar a linguagem.

Minha maior curiosidade era sobre a feitura de um filme de arte em 3D (conferi apenas no formato convencional), pois só experimentei, até o momento, blockbusters como "Avatar". Assistir Pina é uma dessas experiências raras que o cinema pode proporcionar. Wenders te coloca na plateia do teatro, para admirar a obra de Pina, e você não quer sair de lá. Oscila com tomadas externas ou em cenários. 

Mostra ainda, intercalado com a dança contemporânea, o relato dos bailarinos que trabalharam com a coreógrafa, mas eles não movimentam os lábios e as vozes são ouvidas no próprio idioma de cada um. Registram uma lição aprendida com Pina.

Os movimentos são convidativos e os dançarinos se entregam completamente em momentos de êxtase. O longa ainda não estreou no Brasil, mas, de antemão, me questiono se as (poucas) salas de projeção em 3D vão apresentar "Pina",  uma vez que o gênero musical não costuma atrair grande público.

Trailer:

Share:

Melancholia


 
Melancholia (2011) é o mais recente filme do diretor dinamarquês Lars Von Trier. Embora não tenha assistido toda sua cinematografia, alguns filmes são impactantes e fogem ao padrão, tais como "Dogville" ou "Dançando no escuro".

Não é apenas mais uma película sobre o fim do mundo com hecatombes norte-americanizadas. Fala principalmente sobre um sentimento que nos enfraquece e desorienta: o medo. É a apreensão irracional capaz de aniquilar. O casamento de Justine (Kirsten Dunst) - atriz que recebeu o prêmio em Cannes por sua atuação - e o relacionamento com a irmã Claire é, ao meu ver, apenas um pano de fundo para a demonstração de depressão incontrolável diante de uma notícia sobre a cessação da existência.

A música de Richard Wagner ressoa em nossos ouvidos, com excertos de Tristão de Isolda (linda história sobre o "amor cortês"). Ao final, concluímos que o ser humano, por instinto, quer sobreviver. A melancolia é o estado de desencanto e tristeza. Parafraseando Woody Allen "Não é que eu tenha medo da morte. Eu apenas não quero estar lá quando isso acontecer."


Trailer: 
Share:

"Tomboy" ou torna-te aquilo que és


Tomboy (2011), pela definição do "Michaelis", é: menina que se interessa por atividades masculinas. O filme francês homônimo, de Céline Sciamma - permite um diálogo com outros dramas cinematográficos infantis/juvenis, seja com o argentino XXY ou com o belga Minha vida em cor-de-rosa ("Ma vie en rose" venceu o Globo de Ouro de 98) - narra o conflito emanado do (re)conhecimento da sua própria identidade.
Share:

Ouro Preto, Minas Gerais

"Oh! quantos riscos,
Marília bela,
Não atropela
Quem cego arrasta
Grilhões de Amor!"
Marília de Dirceu, Lira XIII



Ouro Preto, antiga Vila Rica, é uma cidade mineira cheia de história. A exploração das minas de ouro foi essencial para a construção de inúmeras igrejas no estilo barroco, com esculturas de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, e pinturas do Manuel da Costa Ataíde, conhecido como "mestre" Ataíde. Lembramos também do famoso livro do inconfidente Tomás Antônio Gonzaga sobre sua musa, Maria Dorotéia Joaquina, pra quem dedicou suas liras em "Marília de Dirceu".


Share:

Inhotim, um lugar singular

Inhotim alia um acervo de arte contemporânea a um jardim botânico, fica localizado na cidade de Brumadinho - 50 km de Belo Horizonte. Mesmo com 6 horas de visita não é possível ver tudo pormenorizadamente, portanto, o ideal é fazer 2 visitas. A entrada custa R$20,00. 

Na rodoviária de Belo Horizonte, nos dias de sábado e domingo, é possível encontrar ônibus para o museu, que sai às 9:15h e retorna às 17h, da empresa Saritur. O valor da passagem é de R$12,75. A maioria dos visitantes vão de carro. Nunca vi tanta gente num mesmo local para ver arte contemporânea!!! As fotografias falarão por si só sobre a beleza magnífica do lugar...
 



Share:

Los Angeles, Califórnia, EUA

Primeiramente é necessário destacar que o transporte urbano é deficiente, para não dizer inexistente, em Los Angeles. Li que há algumas décadas a GMC comprou as linhas subterrâneas a as desativou, obrigando a população se tornar motorizada. Como não dirijo, deixei de fazer inúmeras coisas que gostaria. Pois fui com 3 colegas com gostos distintos. Não consegui visitar o Moca (com obras do Basquiat), o Lacma (com o famoso "Ceci n´est pas une pipe" do Magritte) e o The Getty Center. Tampouco visitei os estúdios de cinema e a Muholland Drive (amo o filme homônimo do Lynch). Você tem que fazer a locação do carro pelo site da Hertz, depois pegar um ônibus rotativo da empresa no LAX que te deixará nas dependências da locadora. Compre um cartão telefônico por 5 dólares  (farmácia, aeroporto ou liquor store) e fale por longos minutos com o Brasil.

DSC00269

Fiquei hospedada na Sunset Boulevard e não tem como não lembrar de "Crepúsculo dos Deuses", contudo, pelo menos nas proximidades do hotel, não vi glamour. Em Los Angeles você poderá falar espanhol porque será compreendido - até nos mercados, como o Walmart, as pessoas eram bilingues. No centro da cidade quase não via pessoas, apenas carros e carros. Ninguém caminhando...

Os preços em Los Angeles são convidativos, de eletrônicos a comida. Comprei câmera e netbook no Walmart, brinquedos a preço de banana (10x mais baratos que no Brasil)! Ótimas lojas como Bestbuy e Radioshack. Comprei 12 latinhas de pepsi por 2,5 dólares no Target, e um gatorade de 1 litro por 1 dólar! Inacreditável também são os preços de roupas, bolsas e óculos na Ross, dress for less. A única tristeza era pagar 1 dólar na unidade da banana...

A primeira visita foi aquela caminhada básica pela calçada da fama, mas morrendo de fome (só com a comida do avião e do aeroporto de Miami) e nem conseguia tirar fotos (tinha saído do Brasil às 18h do dia anterior e já marcava 17h). Uma passada pelo Teatro Kodak e pelo Teatro Chinês. Ah, se prepare porque o estacionamento (em média 15 dólares) é caro em comparação com o aluguel do carro...


DSC09432 


DSC09420


DSC09371

DSC09373

DSC09398

DSC09377

Um lugar bonito para visitar é Venice Beach (passando por Santa Monica), também cenário de inúmeros filmes, tais como "Eu te amo, cara" e também frequentado por artistas da geração beat e outros famosos, como Jean-Michel Basquiat, Jim Morrison, Julia Roberts e Anjelica Huston. Outro ponto turístico, adequado para ver o famoso letreiro "Hollywood", é o Griffith Park. Dê uma voltinha pela Rodeo Drive...hahaha

 DSC00046

DSC00029

DSC00042


DSC00032


DSC09447


DSC09457

DSC00202

DSC00212

Aproveite também o famoso parque de montanhas-russas, Six Flags - compre o ingresso pela internet e pague a metade do preço. Coma no Farmers Market, um mercado cheio de estilo com comida para todos os gostos.

DSC00565

DSC00548

DSC00543



Links:
www.westland.net/beachcam/

Share:

Disneyland, Anaheim, Califórnia, EUA

Visitar a Disneyland nas férias norte-americanas exige muita paciência: nunca vi tantas crianças no mesmo lugar. Foi o primeiro parque idealizado por Walt Disney, antes da Disney World. O parque fica em Anaheim, no estado da Califórnia. A entrada custou 72 dólares (2009) e o parque fica aberto até 21h

A região tem uma grande rede hoteleira para quem vai para passar as férias, bem como existe o ingresso (muito mais barato) semanal. Como tudo na Califórnia, você precisará de carro para chegar ao parque, não vi ônibus ou vans de turismo por lá.

Existem dezenas de restaurantes (lotados) com comida de vários gêneros. Depois de procurar bastante, já faminta, optei por comida mexicana: um arroz apimentado, burrito e guacamole. Custou 15 dólares.

Cheguei no parque por volta das 15h, pois antes havia visitado o Griffith Observatory. Naquele horário, já não havia fila. O problema mesmo foi conseguir andar nos brinquedos. Se tivesse chegado cedo, não teria titubeado em comprar o Fast Pass, que é um tíquete que dá acesso célere aos brinquedos. Nas quase 6 horas que fiquei na Disneylândia, consegui usufruir apenas das seguintes atrações: Indiana Jones Adventure, Pirates of the Caribbean, Space Mountain e Star Tours. Inacreditável!

Por volta das 20h, assisti a apresentação no castelo da Cinderela e fiquei emocionada. Tem um show de fogos de artifício e a Sininho apareceu voando. Foi a minha primeira vez na Disney, e, para coroar aquele dia, na saída do parque, encontrei o Mickey. Confesso que lacrimejei (hahaha).

DSC00505

DSC00319

DSC00322

DSC00330

DSC00334

DSC00340

DSC00337

DSC00380

DSC00349

DSC00354

DSC00464

DSC00452

DSC00504
Share:

Translate

Instagram

Publicidade

Booking.com

Marcadores

Arquivo do blog